Inflação: como investir?

Inflação: como investir?

Inflação, segundo o dicionário, significa aumento de volume; inchação.  Dentro da economia isso significa uma perda no valor monetário frente ao que já valeu. Como exemplo podemos ter em uma economia hipotética a produção de um único bem, como uma cadeira. O produto interno bruto dessa economia seria a cadeira, apenas. Há também a produção de uma unidade monetária representada por essa cadeira.

Se o governo (único agente econômico capaz de produzir moeda) produz uma moeda a mais nessa economia, essa mesma cadeira passaria a valer duas unidades monetárias, logo, pode-se observar uma perda de poder do dinheiro frente ao produto, ou seja, a cadeira que custava uma única unidade monetária passa a valer agora duas unidades monetárias.

No Brasil passamos por períodos não só de inflação, mas de Hiperinflação na qual a inflação já atingiu valores de 2.477,1% ao ano no ano de 1993.  Após o Plano Real houve estabilização dos níveis de preço a um nível médio nos últimos anos de 6,5%, teto da meta da inflação, controlada fortemente pela taxa de juro.

É possível identificar uma crescente preocupação dada à implementação do Plano Real. De forma simplista, o Banco Central tem atuado fortemente através da taxa básica de juro (taxa SELIC) para continuidade do Plano Real, logo, uma forma de investimento financeiro de retorno considerável e classificado entre os economistas como investimento de “Risco Zero” (risco em perder o dinheiro considerado quase nulo e de retorno ao investimento certo) são os títulos do Tesouro Direto, que são atrelados à taxa de juro.

Esses títulos financiam eventuais gastos do governo, como investimentos em educação, saúde, transporte, infraestrutura, etc. Na área financeira, citada anteriormente, temos investimentos de rendas fixas e variáveis que podem ser feitos através de intermediadores financeiros, como bancos comerciais e corretoras de ações.

É possível comprar títulos a partir de R$ 30, sendo que há relação proporcional direta entre retorno e risco: quanto maiores os riscos maiores os retornos. Vale ressaltar que, para um controle maior sobre suas finanças, calcule todos os custos envolvidos na operação, desde taxas de corretagem a taxas cobradas pelo governo.

Além de metas e planejamentos cabíveis a sua renda. Como exemplo hipotético, podemos ter R$ 500 para investir em títulos do governo atrelados a taxa selic. Se a taxa de juro é de 13,5%, teremos esses mesmos R$ 500 a um valor de R$ 567,50 reais depois de um ano (sem considerar eventuais taxas e o tipo de título investido).

Investimentos em  Tesouro  direto  podem  ser  interessantes  para  pessoas  que  buscam investimentos a longo prazo, quantidade de capital disponível para se investir e não possuem tempo para monitorar seus rendimentos, considerando que existem diversos tipos de títulos emitidos pelo tesouro direto.

Vale ressaltar que para um investimento de sucesso é preciso conhecer o funcionamento dele e uma estratégia consolidada sobre a quantidade de ganho que se espera, a quantidade disponível que terá para investir e o prazo sobre retorno desse investimento.

Compartilhar esta postagem